Coronavírus: fim do isolamento social não impede recessão econômica, diz estudo

Coronavírus: fim do isolamento social não impede recessão econômica, diz estudo

Coronavírus: fim do isolamento social não impede recessão econômica, diz estudo

A pandemia de coronavírus e a preocupação com os impactos de políticas de confinamento na economia global têm levado políticos e acadêmicos a questionar a relação entre custos humanos e financeiros da covid-19, a doença causada pelo coronavírus.


Os presidentes do Brasil, Jair Bolsonaro, e dos Estados Unidos, Donald Trump, recentemente defenderam o fim do isolamento generalizado das populações e a retomada da "vida normal" para evitar uma crise maior. 


Foram criticados por médicos e acadêmicos, que dizem que este posicionamento significa acreditar que evitar uma recessão é mais importante do que prevenir mortes.


No meio de debates éticos e filosóficos, a pergunta "quanto custa salvar uma vida?" começa a ser pensada de forma séria por estudiosos. E a resposta pode ser cerca de US$ 2 milhões, segundo a avaliação de três economistas sobre os impactos da pandemia e do confinamento na economia dos Estados Unidos.

Em artigo publicado no início desta semana, Martin S. Eichenbaum e Sergio Rebelo, da Universidade Northwestern, nos EUA, e Mathias Trabandt, da Free University de Berlim, na Alemanha, cruzaram modelos de epidemiologia com contextos econômicos para medir os possíveis impactos humanos e financeiros do coronavírus. 

Eles dizem que o cenário ideal de confinamento de fato pode aumentar o impacto da recessão econômica, mas tem o potencial de evitar a morte de cerca de 500 mil pessoas nos Estados Unidos.

De acordo com suas conclusões, as pessoas já reduzem naturalmente seu consumo e trabalho por conta do impacto da epidemia em suas vidas. Isso significa que já haveria recessão econômica independentemente de políticas de isolamento social.

O confinamento intensificaria esse movimento ao reduzir ainda mais o consumo e as horas de trabalho. Essas políticas, porém, "aumentam o bem-estar ao reduzir o número de mortes causadas pela epidemia", diz o artigo.

 

Queda sustentável da doença

Para os pesquisadores, o ideal é introduzir medidas de confinamento em massa para resultar em uma queda brusca e sustentável do impacto da doença.

"A política ótima é a procura pelo equilíbrio entre custos e benefícios, mas é possível dizer que em todos os cenários é ótimo introduzir confinamentos", afirma Rebelo, um dos autores do estudo, à BBC News Brasil.

O estudo mostra que, sem confinamento, a pandemia causaria queda de 2% no consumo dos americanos. "No longo prazo, a redução permanente da população e no PIB real seria de 0,65% refletindo a mortalidade da epidemia", diz o pesquisador português, que vive nos EUA.

No cenário com as medidas restritivas, a queda no consumo poderia chegar a 9,1%, mas a redução da atividade econômica levaria a uma proporção menor de pessoas infectadas em momentos de pico (5,1% em vez de 8,4%), e o número total de mortes cairia de 2,2 milhões para 1,7 milhão.

O declínio na economia passaria de US$ 800 bilhões no cenário sem confinamento para US$ 1,8 trilhão com isolamento social imposto pelo governo, uma diferença de US$ 1 trilhão por 500 mil vidas. É a partir desse dado que eles calculam o custo para salvar vidas, chegando ao número de US$ 2 milhões por pessoa salva.

O valor é bem mais baixo dos que os US$ 9,5 milhões usados como padrão por agências dos Estados Unidos, como a de proteção ambiental, ao calcular o padrão de custo por vida salva ao determinar políticas públicas do setor.

28 visualização(ões)

Ultima visualização: 05/06/2020 07:18

#Notícias